Cervejaria Continente

Nossa História

O ano era 2011. Um jovem estudante encontra no seu novo estágio um bancário velho e carcomido que como ele – como todos – é apaixonado por cerveja. A cena cervejeira artesanal começava a borbulhar, ensinando que era possível aos mortais, assim como aos deuses, fazer cerveja de verdade.

Não tardou para que partisse do jovem a pergunta: “cara, tu gosta de cerveja? não tá a fim de fazer um curso de cerveja?” Assim, a ânsia do jovem por forjar um futuro casou com a fome de sentido e o espírito artístico do velho, e em dois toques foi concebida a Cervejaria Continente.

O tempo passou, o vento soprou e nosso time cresceu: hoje são quatro sócios que fazem a Continente. Por que Continente? Para prestigiarmos nossas raízes, para valorizarmos nossa língua e porque queremos ser simples e profundos como O Tempo e o Vento de Érico Veríssimo.

A nossa Roca, símbolo da Continente, é a imagem mesma do elemento transformador de matéria crua em criação humana. E enquanto criação humana, a cerveja pode e deve nos ser familiar e íntima. A  Continente quer celebrar o protagonismo da cerveja em nossas vidas, embalando o sonho de produzir cervejas genuinamente brasileiras, universalmente locais. Cervejas que simbolizem o engenho humano na construção da própria civilização.

Acreditamos que – mais do que uma mercadoria na prateleira – cada cerveja é uma contadora de histórias.

A cerveja é uma linha na trama da história de cada um de nós.